Inscrições abertas para a Escola Avançada sobre arbovirologia

Tempo de leitura: 2 minutos

Estão abertas até 15 de março as inscrições para a São Paulo School of Advanced Science in Arbovirology, que será realizada na Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto (Famerp), no interior de São Paulo, entre os dias 29 de maio e 9 de junho.

Voltado principalmente a pós-graduandos e pós-doutorandos, o evento tem como proposta transmitir uma visão crítica e abrangente sobre o estado da arte nas pesquisas sobre arbovírus, com foco especial sobre dengue, Zika e chikungunya.

São oferecidas 100 vagas, sendo aproximadamente metade para estudantes brasileiros e metade para estrangeiros, de acordo com o modelo do Programa Escola São Paulo de Ciência Avançada (ESPCA) da FAPESP.

As inscrições são gratuitas e os candidatos selecionados terão os custos de hospedagens e transporte custeados pelos organizadores. A seleção será feita com base na análise do currículo e da carta de interesse, buscando diversificar ao máximo o país de origem dos participantes.

Como informou o organizador Maurício Lacerda Nogueira, professor da Famerp, o evento dá continuidade a uma série de encontros que vem sendo realizada desde 2012 em parceria com a University of Texas Medical Branch (UTMB), dos Estados Unidos.

“Essa universidade norte-americana é um centro de excelência em pesquisas sobre arbovírus. Organizamos em parceria dois eventos de alto nível, em 2012 e em 2016, em São José do Rio Preto. Diante do crescimento recente no número de casos de Zika e chikungunya, decidimos aproveitar a tradição e organizar um terceiro encontro no formato da ESPCA, com aulas teóricas e também práticas”, disse Nogueira.

A primeira semana da programação será dedicada às aulas teóricas e terminará com uma visita ao Centro de Pesquisa em Virologia da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP), da Universidade de São Paulo (USP), coordenado pelo professor Luiz Tadeu Figueiredo.

Na segunda semana, os participantes serão divididos em atividades práticas que vão de modelagens computacionais usadas em estudos de filogenia e evolução de vírus até saídas de campo para a coleta e identificação de mosquitos e de aves silvestres.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *